Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas do Chão Salgado

resistir e criar, por mais que nos salguem o chão dos dias | crónicas, memoirs, leituras e imperdíveis por aí

Crónicas do Chão Salgado

resistir e criar, por mais que nos salguem o chão dos dias | crónicas, memoirs, leituras e imperdíveis por aí

Sonnet 43 from the Portuguese dito por Judi Dench | dia mundial da poesia

Elisabeth Barret Browning escreveu Sonnets from the Portuguese nos primeiros tempos de enamoramento com o que, após alguns reveses e um casamento secreto, se tornaria seu marido, Robert Browning. A obra foi publicada em 1850, mas o arrojo apaixonado de alguns poemas levou Elisabeth a apresentar a obra como uma tradução de poemas portugueses. 
Há diversas explicações para escolha do título mas "My little portuguese" ser o petit nom que o marido lhe dava é o mais provável. Robert apelidava assim Elisabeth pela sua tez morena, que achava semelhante à portuguesa.
 

 

barret .jpeg

Elizabeth Barret Browning (Licença Creative Commons)

 
Judi Dench cresceu ouvindo o seu pai a recitar  e ela própria é uma extraordinária diseuse e amante de poesia, além da atriz que conhecemos tão bem. A cena do filme Skyfall, em que Judi recita o final de Ulisses, de Tennyson... é linda!
A atriz diz memorizar um poema por dia de forma a manter um cérebo ativo e uma mente jovem, o que me parece excelente e agradável receita.
Reunem-se no vídeo estas duas mulheres fantásticas, através da leitura de um dos mais conhecidos
poemas de Elisabeth Browning, o soneto 43 de Sonnets from the Portuguese, que aqui fica também por escrito.
 

 

How do I love thee? Let me count the ways.
I love thee to the depth and breadth and height
My soul can reach, when feeling out of sight
For the ends of being and ideal grace.
I love thee to the level of every day’s
Most quiet need, by sun and candle-light.
I love thee freely, as men strive for right;
I love thee purely, as they turn from praise.
I love thee with the passion put to use
In my old griefs, and with my childhood’s faith.
I love thee with a love I seemed to lose
With my lost saints. I love thee with the breath,
Smiles, tears, of all my life; and, if God choose,
I shall but love thee better after death.
 
 
 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    concha 22.03.2021

    Exatamente como eu :) não me canso de a ouvir...
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.